Sidebar

BT Login

Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *
Z21iZTVhcmZoMmEydW80Y2FxZDNkdm1nMDYxNTc0MzE5NDAy Dia do Trabalhador: como está a vida dos profissionais pós Reforma Trabalhista - Revista Manutenção
Reload Captcha

BM Slide Login

Dia do Trabalhador: como está a vida dos profissionais pós Reforma Trabalhista

Trabalhador disponibilizada pela Comunicação Conectada sob licença Creative Commons BY-SA

Ferramentas
Fonte
  • Menor Pequena Média Grande Maior
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times



TAGOUT - BLOQUEIO E ETIQUETAGEM
MAXINST - EAM
IPOG - MBA em Gestão da Manutenção
GMG Service
ENGETAG
Parceiro
TAGOUT - BLOQUEIO E ETIQUETAGEM
MAXINST - EAM
IPOG - MBA em Gestão da Manutenção
GMG Service
ENGETAG
Parceiro

(Comunicação Conectada) Um ano e cinco meses depois da Reforma Trabalhista trabalhadores vivem desburocratização de um lado e precarização do outro. No segundo 1º de Maio (Dia do Trabalhador) pós projeto o mercado está menos burocrático e viu os processos trabalhistas caírem vertiginosamente, por exemplo. Contudo, as novas leis não foram suficientes para gerar a quantidade de empregos que os brasileiros esperavam e tornaram mais precárias algumas formas de trabalho.

A Reforma Trabalhista foi promulgada em 11 de novembro de 2017, pelo então presidente Michel Temer. À época, a ideia era que a legislação fosse atualizada e flexibilizada. De acordo com a justificativa do Governo, as alterações adequariam o Brasil às leis mais avançadas ao redor do mundo.

Entre os impactos das novas regras está a diminuição dos processos trabalhistas. De acordo com o Tribunal Superior do Trabalho (TST), o número de reclamações judiciais caiu 34% no ano passado, na comparação com 2017. Foram 1,7 milhão de reclamações em 2018, contra 2,6 milhões no ano retrasado.

A advogada trabalhista e previdenciária Tatiana Perez Fernandes, do escritório Custódio Lima Advogados Associados, explica que isso aconteceu porque de acordo com o novo texto, as custas processuais passaram a ser bancadas pelo trabalhador (para aqueles com rendimentos superiores a 40% do teto remuneratório do Regime Geral de Previdência Social).

Além disso, nessa situação o funcionário também deverá arcar com honorários periciais, quando for o caso, e honorários de sucumbência pagos ao advogado da parte contrária, caso perca algum dos pleitos da demanda.

“Apesar de desafogar os tribunais, ainda existe debate sobre isso. Essa questão do trabalhador arcar com os honorários pode ser encarada como uma violação da Constituição Federal, que trata do direito ao livre acesso ao Poder Judiciário”, cita a especialista.

Entre outros impactos da Reforma Trabalhista que podem ser lembrados nesse 1º de maio:

Vale o que for combinado: excetuando direitos consolidados como férias, décimo terceiro, salário mínimo, limite de horas trabalhadas e etc, o resto pode ser negociado entre patrão e trabalhador. Os modelos intermitentes de trabalho, que são flexíveis e por períodos específicos, já somam mais de 50 mil em relação a todos os postos.
Fim da contribuição sindical: antes da Reforma a contribuição era obrigatória, sendo que o trabalhador dava o salário relativo a um dia de trabalho para os sindicatos. Com a eliminação dessa obrigatoriedade, os sindicatos tiveram uma queda de 90% nas receitas. De R$ 3,6 bilhões, o valor caiu para cerca de R$ 500 milhões em 2018.
Demissão em acordo: desde novembro de 2017 já foram pelo menos 110 mil demissões por comum acordo. Nessas situações a multa do FGTS é de 20% (anteriormente era 40%), o trabalhador cumpre metade do aviso prévio e recebe 80% do FGTS.

Complicações

Apesar das facilitações e diminuições da burocracia para contratar, o trabalhador brasileiro ainda sofre com algumas questões. A advogada Ana Paula Smidit Lima, especialista em Relações Trabalhistas, Sindicais e Gestão de Contencioso, do escritório Custódio Lima Advogados Associados, lembra que a nova legislação gerou complicações jurídicas e ainda não obteve os resultados esperados em relação a novas vagas de trabalho.

Por causa disso, em novembro do ano passado o então presidente eleito Jair Bolsonaro defendeu um aprofundamento da Reforma Trabalhista de 2017. Durante a campanha ele havia citado como medida a criação da carteira de trabalho “verde e amarela”. Ela seria uma alternativa à tradicional carteira de trabalho azul e ofereceria uma opção ainda mais flexibilizada de contratação.

Ana Paula defende que a criação da nova carteira precisaria ser debatida com a sociedade. Ela afirma que atualmente já existem questões importantes que não estão na Constituição e que a Reforma Trabalhista deixou ainda mais confusa. A especialista elenca as dificuldades vividas pelos trabalhadores depois de um ano e cinco meses de Reforma Trabalhista:

Sindicatos tentando retornar cobrança: com o fim do imposto sindicato obrigatório, as entidades estão tentando retomar de alguma forma a cobrança. Além dos processos na Justiça, os sindicatos têm ameaçado retirar os benefícios conseguidos em acordos coletivos de quem não é afiliado. “A situação é bastante delicada. Os sindicatos necessitam de receita para poder continuar exercendo seu papel de defensor das classes por eles representadas, e tal medida é uma forma de viabilizar e sensibilizar empresas e trabalhadores a contribuírem com as entidades. Em contraponto, a Constituição Federal continua, em seu artigo 8º, estabelecendo que a representação sindical deve abranger toda a categoria”, pontua a advogada sobre isso.

Sobrejornada: também chamada de “horas in itinere”, a sobrejornada é o tempo de deslocamento até a empresa. Esse tempo não é mais considerado um período em que o empregado está à disposição do empregador. “A legislação peca por não discorrer sobre o deslocamento em viagem de trabalho e precisaria de uma mudança clara nesse sentido, até porque o transporte público é um dos principais problemas das grandes cidades e afeta muitos trabalhadores”, defende Ana Paula.

Desemprego e precarização: apesar de acreditar que a Reforma criaria mais de 6 milhões de empregos formais, a verdade é que houve bastante oscilação nos números de empregados e desempregados. Quando a reforma foi promulgada, a taxa de desemprego estava em 12%. Ao final de fevereiro de 2019, a taxa estava em 12,4%, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Apesar de alguns setores, como o de serviços, registrarem crescimento substancial, nesse período pós Reforma cresceram bastante o número de subempregos. Ou seja, é possível dizer que houve uma precarização do trabalho no Brasil”, pontua Ana Paula.

"Além das mudanças ocasionadas pela Reforma Trabalhista, em breve, os trabalhadores terão que lidar com as novas regras da Reforma da Previdência que prevê aumento da idade mínima para se aposentar", ressalta, ainda, a advogada previdenciária Tatiana Peres Fernandes.

via Comunicação Conectada
comunicacao conectada

 

Texto: Primeira edição publicada na Revista Manutenção sob licença Creative Commons  Licença Creative Commons

Imagens: As imagens possuem licenças específicas, consulte as respectivas legendas
Trabalhador disponibilizada pela Comunicação Conectada sob licença Creative Commons BY-SA

COMENTE, DEBATA, DISCUTA OU DEIXE A SUA OPINIÃO RESPEITOSAMENTE
Os comentários não representam a linha editorial, tampouco a opinião dos articulistas e editores da Revista Manutenção, e estão sujeitos a moderação, pois são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Caso encontre algo ofensivo que viole a legislação vigente no Brasil ou os termos de uso, DENUNCIE.

DETALHES SOBRE O AUTOR
custodio-lima Dia do Trabalhador: como está a vida dos profissionais pós Reforma Trabalhista - Revista Manutenção
Custódio Lima
Nome: Custódio Lima
Website: http://www.custodiolima.adv.br/
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Advogados Associados


   Redes sociais: 
linkedin Dia do Trabalhador: como está a vida dos profissionais pós Reforma Trabalhista - Revista Manutenção
 
facebook Dia do Trabalhador: como está a vida dos profissionais pós Reforma Trabalhista - Revista Manutenção
 
twitter Dia do Trabalhador: como está a vida dos profissionais pós Reforma Trabalhista - Revista Manutenção
 
google Dia do Trabalhador: como está a vida dos profissionais pós Reforma Trabalhista - Revista Manutenção
 
youtube Dia do Trabalhador: como está a vida dos profissionais pós Reforma Trabalhista - Revista Manutenção
 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.




Ana Paula Smidt Lima

Pós-Graduada em Direito e Processo do Trabalho na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Especialista em Direito do Trabalho pela Escola Superior de Advocacia. É sócia sênior na Custódio Lima Advogados Associados. Possui vasta experiência em Relações Trabalhistas, Sindicais e Gestão de Contencioso. No âmbito da Gestão de Contencioso, assessora as empresas na criação de planos de participação nos resultados, bonificação, stock option, estruturação de benefícios flexíveis, remuneração variável e de executivos, e estruturação de contratos de trabalho e de prestação de serviços. Presta consultoria em questões de segurança e saúde do trabalho, melhoria das relações sindicais e estratégias de prevenção ou redução de passivo trabalhista. Palestrante.

Tatiana Perez Fernandes

Pós-Graduada em Direito e Relações do Trabalho na Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. Pós-Graduada em Direito Previdenciário no Damásio Educacional. Possui Curso de Extensão em Aposentadoria Especial dos Servidores Públicos. É sócia na Custódio Lima Advogados Associados. É especializada em Direito do Trabalho e Previdenciário. Atua com Gestão de Contencioso em litígios individuais e coletivos. Tem larga experiência em mediação e conciliação extrajudicial. Presta Assessoria Previdenciária completa, incluindo cálculos previdenciários, planejamento previdenciário, processos administrativos e judicias em face do INSS. Palestrante de Direito Trabalhista e Previdenciário.

Sobre o Custódio Lima Advogados Associados

Escritório com 25 anos de tradição, que prioriza a busca de soluções jurídicas que levem em consideração as peculiaridades, a cultura, o negócio e as metas de seus clientes com resultados jurídicos sólidos e ao mesmo tempo rápidos e inovadores. Reúne uma equipe de profissionais altamente especializados, que prestam serviços jurídicos com alto padrão de qualidade e excelência, atuando nas mais diversas áreas do Direito, como Trabalhista, Empresarial, Previdenciário, Civil e Sindical.


Avalie esta publicação: 1 1 1 1 1 Nota 0% (0 Votos)
Compartilhar

Redes Sociais

 

 
 

Anúncios

Livros recomendados

Ainda não é registrado? Registre-se agora!

ÁREA DO ASSINANTE